Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zonaDINAmica

Clube Oficial de Fãs da Cantora e Compositora Dina.

Canções de Dina em Pictogramas - III

2024 traz 'TREINAMENTES', com as canções de Dina escondidas em pictogramas:

painel_pictograma03p.jpg

 

As soluções na próxima entrega (Abril), com a actualização desta publicação.

 

________________________

Nota zDm: A iniciativa TREINAMENTES é uma forma de comemorar a Vida e a Obra - 5 décadas de canções - da Cantora e Compositora Dina.

 

 

-------------------------------------------------------------------------

 

> POST-SCRIPTUM <

ALERTA DE SPOILER

SOLUÇÃO DO PICTOGRAMAS - III:

 

a) 

- O pictograma se refere ao excerto “quero cantar de galo"

- Da canção de Dina: ‘Soa Bem

 

b) 

- O pictograma se refere ao excerto “pô-lo a voar"

- Da canção de Dina: ‘Papagaio

 

c) 

- O pictograma se refere ao excerto “sobrevoar o mar"

- Da canção de Dina: ‘A Cor da Vida

 

Dina no Festival da Canção 1996

dina1996_ai a noite_elaisa3b.jpg

RTP Arquivos disponibiliza o Festival da Canção de 1996, onde Dina fez parte do lote de compositores convidados (sendo a única mulher do grupo!). Apresentou a canção 'Ai, A Noite', com Música e Orquestração de Dina e Letra de Rosa Lobato de Faria, estando a interpretação a cargo de Elaisa. A canção pode ser vista/recordada aqui (após o minuto 23:16).  

 

Das 10 canções concorrentes, 'Ai, A Noite', ficou na 6ª posição com 49 pontos. Curiosamente, Elaisa representou Portugal no iberoamericano Festival OTI desse ano, não com a canção de Dina, mas com a canção 'A Minha Ilha', que obteve o prémio de melhor interpretação no Festival da Canção 1996.

dina1996_ai a noite_elaisa2b.jpg

 

'Ai, A Noite', na voz de Dina, faz parte do álbum Sentidos (1997):

 

Dina no Festival da Canção 1982

Dina - Gosto do teu Gosto_FC1982.jpg

RTP Arquivos disponibiliza o Festival da Canção de 1982, onde Dina teve uma participação dupla forçada.

O primeiro Lp de Dina, 'Dinamite', estava prestes a sair e alguém decidiu enviar três canções desse álbum para participar no Festival, mas só duas dessas canções participaram no certame... Um pouco mais, este Festival seria só com a Dina a interpretar as 8 canções do seu álbum Dinamite e a representar Portugal na Eurovisão. Conclusão: Das 8 canções do Lp, as rádios só passavam as canções do Festival, sobretudo 'Gosto do teu Gosto', aniquilando assim um álbum inteiro. 

A passagem a contragosto (com as canções do Lp Dinamite!) de Dina pelo Festival de 1982 pode ser vista/recordada aqui, com as canções 'Em Segredo' (minuto 06:09) e 'Gosto do teu Gosto' (minuto 25:26). Das 12 canções concorrentes, 'Gosto do teu Gosto' (música de Dina) obteve 125 pontos (6º lugar) e 'Em Segredo' 74 pontos (8º lugar). Como curiosidade, 'Gosto do teu Gosto' esteve destacada em primeiro lugar durante as votações das primeiras 7 capitais de Distrito e obteve a votação máxima (12 pontos) de 4 do total de capitais.

Dina - Em Segredo_FC1982.jpg

 

Dina no Festival da Canção 1980

Dina - Guardado em Mim_FC1980b.jpg

RTP Arquivos disponibiliza a final do Festival da Canção de 1980, onde Dina se deu a conhecer ao grande público com a canção 'Guardado em Mim' (Música de Dina e Letra de Eduardo Nobre). A passagem pode ser vista/recordada aqui (após minuto 15:29).  

 

As 9 canções que participaram na final deste Festival passaram pelo crivo de 3 semifinais (27 canções no total). Dina participou na 2ª semifinal, onde obteve 21 pontos, a segunda melhor classificação dessa semifinal e do conjunto das 3 semifinais (fonte). A votação foi da responsabilidade de um júri profissional. Na final, a votação coube a um júri distrital e aqui a Dina ficou remetida ao 8º lugar com 5 pontos.

 

É-nos incompreensível a classificação na final, mas mais ainda a amputação da Letra e uma das mais belas partes da Poesia Portuguesa, que para além do mais dão o título à canção:

pus nos dias

o secreto do segredo

do que vivo eras tu

guardado em mim

 

Canção na íntegra (versão estúdio):

 

Dina - Guardado em Mim_FC1980a.jpg

 

'Guarda-Chuva' - Hino da Esperança

guarda-chuva_hino da esperanca.jpg

'Guarda-Chuva' é o lado B do single 'Guardado em Mim', o primeiro que Dina lançou em 1980. Tem Música da própria Dina e Letra de Eduardo Nobre e é um CANTO À ESPERANÇA.

 

Pelos momentos obscuros pelos quais Portugal atravessa (e os "responsáveis" escondem), assim como o resto do Mundo, a Esperança tem de estar sempre presente em cada pessoa, mas uma Esperança activa, que FAZ ONDAS! 

 

 

Canções de Dina em Pictogramas - II

2024 traz 'TREINAMENTES', com as canções de Dina escondidas em pictogramas:

painel_pictograma02.jpg

 

As soluções na próxima entrega (Março), com a actualização desta publicação.

 

________________________

Nota zDm: A iniciativa TREINAMENTES é uma forma de comemorar a Vida e a Obra - 5 décadas de canções - da Cantora e Compositora Dina.

 

-------------------------------------------------------------------------

 

> POST-SCRIPTUM <

ALERTA DE SPOILER

SOLUÇÃO DO PICTOGRAMAS - II:

 

a) 

- O pictograma se refere ao excerto “conta comigo"

- Da canção de Dina: ‘Conta Comigo

 

b) 

- O pictograma se refere ao excerto “...um outro sujeito parado / À espera do autocarro"

- Da canção de Dina: ‘Vitorina

 

c) 

- O pictograma se refere ao excerto “o teu pente"

- Da canção de Dina: ‘Depois Não Digas

 

d) 

- O pictograma se refere ao excerto “não sou rês para este matadouro"

- Da canção de Dina: ‘A Ilha do Tesouro

 

5 Anos Sem Dina - III (Fim)

Dina_concertoDINAMITE.jpg

Dina partiu na noite de 11 de Abril de 2019, uma Quinta-feira, no Hospital Pulido Valente (Lisboa). Uma morte anunciada e premeditada.

 

«Seremos sempre 6»

Dina, inspirada na mãe recentemente falecida, compôs o que seria o seu primeiro grande êxito deste novo século, a extraordinária canção "Que é de Ti". Uma canção carregada de sensibilidade e emoção com um duplo significado: Uma Ode ao Arquipélago dos Açores, de onde era natural a mãe (ilha de S. Miguel), por um lado e, do outro, uma leitura de Memória, de Plegária, onde Dina recorda e invoca alguém que já partiu, neste caso a mãe de Dina. Após a mãe falecer (2000), foi a vez dos dois irmãos varões de Dina (2006), um em Março e o outro em Junho, e uma irmã (2012). Numa família muito unida, como é o caso - «unha com carne», - estas perdas abalaram e desmoronaram a Dina. Sobre estas perdas, numa entrevista, Dina concluiu e exclamou com «estamos e estaremos sempre… Seremos sempre 6 (irmãos)!», uma visão interessante esta de Dina! É provado pela Ciência, que se Dina, como outro alguém neste caso, tivesse mais activa laboralmente na Música, isso a ajudaria a superar tal sofrimento (após o tempo de luto, tão necessário, obviamente). Em 2021, na inauguração do espólio de Dina no Museu de Carregal do Sal (terra natal de Dina), da família estiveram presentes as duas irmãs para lhe prestar tributo.

 

Foram 5 décadas de canções interrompidas pela fibrose pulmonar idiopática (FPI) e pelas FORÇAS PEÇONHENTAS ININTELIGÍVEIS, a outra FPI da qual Dina foi vítima! Ao longo de todo o seu percurso a Cantora e Compositora Dina foi vítima de Ódio, entre outros crimes, mas está longe de ser a única vítima em Portugal! Quem, directa e indirectamente, faz bullying e proclama o Ódio indica que nunca foi amado e nunca amou alguém, que não tem noção de nada, nem inteligência, nem ética e nem amor próprio sequer, que são obscurantistas que ganham a vida a minar vidas alheias… Um sinal claro que estes infelizes ignorantes e desviados preconceituosos e corrosivos infames não marcaram presença na escolinha nem tiveram encarregado de educação.

 

Uma ínfima parte do público de Dina pôde em 2016 prestar-lhe uma homenagem em vida, nos Concertos DINAMITE em Lisboa (2) e no Porto (1), idealizado e organizado pelo Gonçalo Tocha (do duo TochaPestana). Foi bom para Dina voltar a sentir o nosso calor e sublinhar que ela NUNCA será esquecida e foi bom também para nós vê-la e, logo que ela começa a cantar (não parecia ter essa fatídica doença!), deixar-nos envolver e trespassar por todas aquelas ondas que nos afagam docemente, vindas do seu timbre característico e único e das melodias das canções. Foram só duas as canções que Dina cantou ao vivo neste ESPECIAL DE CELEBRAÇÃO ver vídeo-resumo do Concerto no Porto ], para além do áudio de Dina a interpretar um inédito que foi ouvido antes da cortina se abrir, mas esteve no palco a tocar a sua guitarra durante muitas canções interpretadas e tocadas pelos 'bálsamos' - nunca serão poucos os agradecimentos a todos os elementos que estiveram no palco com Dina e que tornaram estes concertos-homenagem possíveis: As vozes de Ana Bacalhau, B Fachada, Best Youth, D´Alva, Da Chick, Márcia, Mitó Mendes, Samuel Úria e TochaPestana, acompanhados de uma banda de primeira formada pelo David Santos (baixo), João Gil (teclas), João Pinheiro (bateria) e Manuel Dordio (guitarra)... Um enorme BEM-HAJAM!

 

Não é unicamente canções que Dina nos deixa, o legado de Dina passa também pelo seu Artivismo em várias causas, visibilizando-as  e audiobilizando-as.

 

CONCLUSÃO

Ter dito que o de Dina foi uma morte anunciada e premeditada”, fica mais claro agora, pelos motivos relatados neste artigo. Por razões que a Razão desconhece, Dina nos foi arrebatada!

 

Boa parte da culpa está nas editoras e nos “profissionais” sem ética na imprensa, na rádio, na televisão e na internet, assim como não existir leis que protejam os artistas portugueses (e a população em geral!), tal como acontece com os funcionários públicos e políticos - ter os mesmos benefícios e tratos destes, ou não vivemos em Democracia? - Os Direitos Humanos foram criados propositadamente para serem violados, ao que parece.

 

Os "entendidos" e os "todo-poderosos" aproveitaram estes ingredientes todos para assassinarem a Dina... E por cá continuamos nós, até esses 'outros' decidirem… Sim, pois não é só a Dina que foi assassinada, todos os dias há notícias de pessoas que cá em Portugal foram assassinadas por estas e outras técnicas pelos autores do costume - este artigo tem a finalidade de ser ECO de todas as vítimas, para despertar a consciência da população e chamar a atenção dos políticos e de quem está nas instituições públicas e afins a fazer sabe-se lá o quê em vez de trabalhar (que para isso estão onde estão e são pagos), é hora de acordar e proteger quem está em situação vulnerável, HUMANIZEM-SE! [ nota zDm: para quem está em situação vulnerável, trate da sua saúde mental e lembre-se que é importante para a sua saúde e o seu bem-estar a autocompaixão, não se torture, que isso já lhe fazem os assassinos em demasia ] - Resta a esperança de conversão imediata de quem padece do pensamento assassino (discursos de Ódio incluído!), para fazer deste Portugal e deste ‘mundo patético’ (como diz a versão em língua inglesa de Amor d’Água Fresca) um LUGAR MELHOR DE E PARA TODES!

 

»» 'POR EU TE RECORDAR' (canção "Retrato"):

Recordamos Dina em conversa com o Júlio Isidro no Inesquecível, em Março de 2016 (após min. 42:53), onde se passa em revista vários momentos do percurso artístico desta cantora e compositora.

 

Dina e a sua Música estão sempre entre nós e em nósBem-Haja, Dina, por teres existido e nos teres agraciado com a tua Humanidade, a tua voz e as tuas canções! Continuas a inspirar-nos!

Dina – "Que é de Ti"

 

5 Anos Sem Dina - II

Dina_Conc.jpg

Dina partiu na noite de 11 de Abril de 2019, uma Quinta-feira, no Hospital Pulido Valente (Lisboa). Uma morte anunciada e premeditada.

 

Direito ao trabalho??? - O que é isso? (perguntam os políticos portugueses). Consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos que Portugal assinou(?), mas, sinceramente, pelas imagens apresentadas nos noticiários, nem Portugal nem a ONU sabem o que isso é!

 

Por motivos de puro Ódio - algo que ninguém neste País sabe o que é, - Dina foi bloqueada também à este Direito Fundamental ao Trabalho! O último trabalho discográfico de originais de Dina remonta a 1997 (álbum Sentidos). Desde 1999 Dina gastou-se a tentar editar um álbum com canções novas, mas as editoras só queriam editar "best ofs". E desta última forma aconteceu em 2002 e em 2008. Dina afirmou várias vezes ter muito material, mas aqueles que mandam se recusam a gravar as suas canções inéditas - estão tão mijados de medo porquê? Eis a resposta: O material de Dina é mesmo muita bom, tem uma sonoridade única e carácter diferenciador e superior, assim como esse timbre tã-tã-tã-tã-tão Dina que é a cereja fresca no cimo de qualquer bolo! A Música de Dina é uma baga de fruta que se coloca na boca e provoca uma explosão de sensações que despertam e alertam todos os sentidos! - No entanto, neste século XXI Dina apresentou canções inéditas para telenovelas (quando é usual utilizar canções antigas do artista, que foram grande sucesso!) e, de um basto repertório de inéditos, ia dando a conhecer algumas dessas canções nos concertos e até em programas de televisão. Como é usual em Portugal, às portuguesas e aos portugueses, assim como ao resto do Mundo, não lhes serão dados a conhecer esses inéditos todos de Dina, assim como as várias canções originais perdidas em programas de televisão, a remasterização dos EPs dos anos 70's e do álbum Aqui e Agora, etc., pois NÓS ESTAMOS CÁ SÓ PARA PAGAR IMPOSTOS E COM ZERO DIREITOS! Temos de tirar o cavalinho da chuva, já que, segundo os factos internacionais, A MÁFIA PORTUGUESA É MAIOR QUE AS OUTRAS MÁFIAS TODAS JUNTAS! É assim ou não é?

 

Outra aberração das editoras e distribuidoras é que, ao pesquisar pela música da Dina, os trabalhos da nossa Ondina Veloso aparecem para ser vendidos dentro de uma sub-página de uma artista de nome Dina, mas que é da Noruega, da França… E até da Ásia!! As canções que todos conhecemos da nossa Dina no mesmo saco que canções nos mais variados idiomas e estilos de mulheres e homens desconhecidos. A quem é que essas milhares de páginas de internet que vendem a música de Dina pagam?? - estas páginas ganham fortunas a vender música!! - E quem recebe os Direitos de Autor da música de Dina, a nossa Ondina Veloso? Ou a loiraça norueguesa? Ou a francesa (uma foto que não é da nossa Dina)? Ou a asiática? Ou a ….? Ou a ….? Ou o …? Esta situação não é recente, já se arrasta VINTE ANOS, pelo menos, e já foi largamente denunciado várias vezes, mas, como sempre, em Portugal não se responde a nada e nada se fazassobia-se para o lado!

 

Mas este múltiplo puro Ódio contra Dina já é antigo e está (também) relacionado pelo facto de Dina ser Mulher que, ao contrário dos homólogos homens, foi penalizada severamente por ter feito hinos partidários (1995) – foi vetada PARA TODO O SEMPRE por algumas Câmaras Municipais para cantar no Concelho, por exemplo. – Os homens fizeram e fazem hinos de um extremo e do outro e há quem andasse a saltitar sempre e nunca lhes aconteceu nada. Viva a liberdade deles.

 

A estatura de Dina também foi alvo de chacota. Um insulto à grande maioria de mulheres de Portugal e às nossas jovens que em 2024 (e sempre existirão!) têm a mesmíssima altura que Dina, e até menos!

 

Lembramos também o 'complot' que se armou entre 1990 e 1992 contra a UPAV (União Portuguesa de Artistas de Variedades) - editora à qual Dina pertencia e era co-sócia fundadora juntamente com o José Mário Branco, entre muitos outros nomes sonantes, e com a qual lançou o Lp Aqui e Agora (1991) e os singles de Amor d'Água Fresca (1992), - com infâmias (os artistas da UPAV são uns vagabundos!”, entre mais e piores) e outros crimes e muita peixeirada incluída por parte das grandes discográficas e até de muitos lojistas que se recusaram a vender os trabalhos feitos por esta editora (ERAM MUITO BEM PAGAS PARA ISSO MESMO, TENDO UM RENDIMENTO MUITO MAIOR DO QUE A VENDER MÚSICA!). Estas acções vergonhosas e desonrosas acabaram por assassinar os fins nobres da UPAV e dos seus sócios nos inícios de 1993, empobrecendo a Música e a Cultura em Portugal... E a Liberdade!

 

Mais razões para Portugal ser ainda mais hipócrita ao falar de Liberdade: Dina também foi castigada por cantar a Liberdade e o Amor no seu estado mais puro e diverso (algo que Dina nunca escondeu nem camuflou). Com o enorme pequeno gesto de Dina ao afirmar que pertence à Comunidade LGBT, no início da década de 90 - Dina não tolerava mais os maus-tratos que os seus membros recebiam, - acabou por salvar vidas no sentido literal, já que muitas e muitos portugueses se identificaram com ela (e as suas canções), e não mais se deixaram abater pelos vexames e agressões físicas – sempre e quando tais agressões não implicaram na morte da vítima, obviamente! - Por outro lado, as vítimas não alimentaram ideias de 'suicídio' para se livrarem/fugirem desse Ódio à queima-roupa contra elas. Já referimos anteriormente aqui no zDm, mas voltamos a repetir: O ‘SUICÍDIO’ É UMA PALAVRA INVENTADA POR E PARA ASSASSINOS, PARA ESTES LAVAREM AS SUAS CULPAS E MÃOS ENSANGUENTADAS DE ACÇÕES CRIMINOSAS, CULPABILIZANDO A VÍTIMA INOCENTE POR RAZÕES ESTÚPIDAS, DESCONEXAS, ESTAPAFÚRDIAS, BIZARRAS, ETC., QUANDO EM VERDADE A CULPA ESTÁ RELACIONADA COM A PASSIVIDADE, A INÉRCIA, A MÁ-FÉ, A INCOMPETÊNCIA, O ASSÉDIO, O ÓDIO, AS AGRESSÕES, O RECUSAR AUXÍLIO, ETC. DESSES MESMOS ASSASSINOS E PREDADORES - E QUEM ESTÁ A SER BEM PAGO NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS TAMBÉM É CÚMPLICE! -  PARA COM A VÍTIMA JÁ NUM ESTADO FRÁGIL E VULNERÁVEL, QUE RESULTA PROPOSITADAMENTE NO FINAL TRÁGICO DESTA. A morte da vítima é o principal objectivo de todo e qualquer agressor maquiavélico e, como à diário nos lembra a comunicação social, a culpa é sempre das vítimas e os agressores NUNCA são punidos. Daí os números vergonhosos de vítimas de violência em Portugal serem tão elevados, MESMO COM OS FREQUENTES E CÉLEBRES “APAGÕES”, com a finalidade de mostrar um número muito baixo, para não chamar a atenção da comunidade internacional.

 

Quando apresentou o seu 2º single, "Pássaro Doido", em finais de 1980, Dina foi duramente criticada por cantar também Rock, pois ela só podia cantar baladas segundo a crítica “especializada”. Dina comentou que a Tina Turner tanto canta uma bela balada como uma ‘rocklhada’. Mas em Portugal só os homens têm o direito de fazer o que lhes apetecer e ninguém tem nada a ver com aquilo que eles fazem ou deixam de fazer. Já as mulheres, estão sempre para levar porrada e não poderem sequer piar. 

 

Sorte teve o Bob Dylan de não ter nascido em Portugal, assim teve liberdade de criar canções em vários estilos musicais (Folk, Blues, Rock, Country, Pop, Jazz, Gospel, etc.) e ser altamente elogiado e premiado por esse motivo... Até um Prémio Nobel lhe deram! Se bem a nossa Dina maioritariamente só fazia a música, entregando a labor da letra aos artesãos da Palavra - e vice-versa, pois a Dina também musicou Poemas!, - tanto a Rosinha (como carinhosamente era chamada por todos a poetisa Rosa Lobato de Faria) e o Eduardo Nobre afirmavam que a música de Dina já trazia a letra, uma vez que Dina apresentava a sua música com vocalizos ('scat singing') e com algumas palavras pinceladas, cabendo aos letristas pegar no(s) mote(s) e fazerem belas letras.

 

Em resumo: Qualquer acção na Música ou gesto de Humanidade da Dina servia para que os ‘pseudos’ sem intelecto da nossa praça lhe faltassem ao respeito e cometessem crimes de Ódio (e outros!) contra ela e se intrometessem na sua vida privada! Vá, um autêntico saco de pancada a nossa Dina, contudo, nunca ela se rendeu nem se humilhou perante o poder e a altura dos inimigos da Liberdade e da Igualdade... Até fez disso Força para o seu Artivismo! E os criminosos sempre impunes, como é Lei neste Portugal, onde não existe o Direito à Liberdade Criativa, impõem-se e limita-se estilos musicais e tudo e mais alguma coisa aos artistas nacionais, que são abalroados por armas de destruição maciça (não passam nas rádios de Portugal, etc.). Em suma, os exames de diagnóstico provam comorbidades, sendo uma das patologias que A LIBERDADE É CRIME EM PORTUGAL!

 

»» 'POR EU TE RECORDAR' (canção "Retrato"):

Recordamos 3 peças sobre Dina: David Ferreira a Contar... Mulheres a Compor (realça o pioneirismo de Dina: «Dina mostrava que as mulheres podem escrever boas canções»), David Ferreira a Contar... Dina (um repasso pelo início de carreira de Dina) e uma reportagem na SIC sobre o novo CD de Dina (2008):

 

Dina e a sua Música estão sempre entre nós e em nósBem-Haja, Dina, por teres existido e nos teres agraciado com a tua Humanidade, a tua voz e as tuas canções! Continuas a inspirar-nos!

Dina - "Dinamite"

 

5 Anos Sem Dina - I

dina - amar sem aviso_ao vivo1980a.jpg

Dina partiu na noite de 11 de Abril de 2019, uma Quinta-feira, no Hospital Pulido Valente (Lisboa). Uma morte anunciada e premeditada.

 

Dina sofria de fibrose pulmonar idiopática (FPI) desde 2006, altura em que esta doença lhe foi diagnosticada. Fora o tempo até o diagnóstico final, a luta desigual de Dina contra este "Cavalo de Troia" foi de 13 anos, que a foi limitando e destruindo gradualmente. Curiosamente, a esperança de vida que é dada a quem tem esta patologia é de tão somente três curtos anos.

 

Entender a FPI

A fibrose pulmonar se relaciona com a disfunção ou reprogramação das células epiteliais alveolares, devido a cicatrização do tecido pulmonar, provocando o seu endurecimento e a perda da sua capacidade de elasticidade (que faz com que seja possível as trocas gasosas e que consigamos respirar), impossibilitando a chegada de oxigénio aos restantes órgãos o que leva a estes deixarem de funcionar, no estado mais avançado da doença. No momento do diagnóstico os pacientes podem estar já numa fase clínica moderada a até avançada da doença, devido aos tempos de espera - e são tão loucamente exagerados em Portugal! - para consultas, exames e afins, assim como a realização da necessária e imprescindível anamnese médica, que inclui a história pregressa (recolher informação sobre o passado do doente: Comorbidades, infecções, irradiação, medicamentos, etc.). 

 

Uma das causas que provocou, ou pelo menos contribuiu, à FPI em Dina poderia ser uma consequência do acidente de viação de Dina em 2001 (quando Dina ia para o estúdio para mais um dia de gravação de canções inéditas para o novo álbum, a ser lançado com data marcada), em que um carro descontrolado embateu na lateral do carro que ela conduzia, acertando em cheio na Dina, e que resultou em várias costelas partidas (para além da bacia, da anca,...). Seguramente os pulmões ficaram lesionados, o que levou à sua posterior cicatrização e endurecimento. Deste acidente se seguiram muitos meses de recuperação e já para o final até chegou a actuar de canadianas, tanto em concertos como na televisão (aqui estas ficavam atrás das câmaras). Foi ainda internada que Dina compôs as canções para a telenovela Sonhos Traídos (TVI, 2002).

 

Segundo a Fundação Portuguesa do Pulmão, as causas da FPI são:

- Exposição prolongada a contaminantes ou poeiras ocupacionais, com inalação de poeiras inorgânicas, como a sílica (pó de pedra) ou asbesto (amianto);
- Exposição a ambientes poluídos [vários são os pontos geográficos em que a poluição do ar em Portugal estão no amarelo e mesmo no vermelho];
- Tabagismo [tanto o passivo como o activo, acrescentamos, assim como o facto de haver liberdade para fumar no interior dos transportes públicos e respectivas estações e paragens, na entrada (BLOQUEANDO EVENTUAL SAÍDA DE EMERGÊNCIA!) de hospitais, tribunais, esquadras, repartições públicas, câmaras municipais, juntas de freguesia, clínicas, lojas e centros comerciais, garagens (e no interior!), bancos e um larguíssimo etcétera];
- Contacto com aves (pneumonite de hipersensibilidade), causa de fibrose pulmonar que é frequente nos criadores de pombos, periquitos e aves em geral. [o zonaDINAmica chama a atenção para a grande infestação de pombos não controlada que há nos meios urbanos e rurais];
- Uso de alguns medicamentos, como a amiodarona (tratamento de arritmias), nitrofurantuína (infecções urinárias), fenitoína (anticonvulsivo), antidepressivos e os medicamentos usados em quimioterapia [e, entre outros mais, Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), acrescentamos];
- Tratamentos de radioterapia;
- Doenças de autoimunidade, como a esclerodermia, artrite reumatoide, lupús e dermatomiosite;
- Infecções virais e bacterianas;
- Doença de refluxo gastroesofágico;
- Origem genética, como acontece com a fibrose pulmonar familiar.

 

O transplante pulmonar? - NUNCA aconteceu! Diariamente são noticiados casos semelhantes em Portugal sobre o difícil e longo tempo de espera para qualquer coisa na área da Saúde, mas nada é feito por quem de direito. Os erros continuam a repetir-se exaustivamente e o número de vítimas a aumentar galopantemente e a serem diagnosticadas as doenças já num estado avançado das mesmas.

 

Em Portugal não existe o Direito Fundamental de Viver - com dignidade, entenda-se, NÃO CONFUNDIR COM O DE SOBREVIVER, O DE IR “ANDANDO” ARRASTANDO A ASA DE QUALQUER MANEIRA, QUE É AQUILO QUE TODOS NÓS FAZEMOS DIARIAMENTE... E TOLERAMOS QUE ASSIM NOS (MAL)TRATEM!

 

»» 'POR EU TE RECORDAR' (canção "Retrato"):

Recordamos um artigo do Jornal Público dedicado à Dina: Morreu Dina, uma pioneira da canção pop.

 

Dina e a sua Música estão sempre entre nós e em nósBem-Haja, Dina, por teres existido e nos teres agraciado com a tua Humanidade, a tua voz e as tuas canções! Continuas a inspirar-nos!

 

Dina ao vivo na Fnac - "Há Sempre Música Entre Nós"