Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zonaDINAmica

Clube Oficial de Fãs da Cantora e Compositora Dina.

Da Cor da Vida - 15 Anos Depois

painel_da cor da vida_cd2008.jpg

 

Em 2008 foi lançada a colectânea Da Cor da Vida, que traz de volta 18 canções de referência de Dina mais 2 originais, Esta Manhã Em Lisboa e O Teu Olhar Mentiu (que entrou na banda sonora da telenovela "Olhos Nos Olhos", na TVI). Estava tudo encaminhado para ser o "tal" ano de um novo trabalho de originais - já tantas vezes adiado!, - tendo sido já lançado até dois singles (as duas músicas originais que estão incluídas no CD), mas à última hora decidiram adiar a edição deste para depois do 'best of' que acabavam de propor...

 

dina2008.jpg

As faixas deste CD são:

01. Esta Manhã em Lisboa
02. Amor d'Água Fresca
03. Há Sempre Música Sempre Entre Nós
04. Pérola, Rosa, Verde, Limão, Marfim
05. Que é de Ti
06. Acordei o Vento
07. Guardado em Mim
08. De Manhã
09. Tafetá
10. Carregal do Sal
11. Por Causa do Teu Olhar
12. Faz-me Tua
13. O Teu Olhar Mentiu
14. Que Vamos Nós Fazer
15. Amar Sem Aviso
16. Por Alto Mar
17. Voar Outra Vez
18. Aqui e Agora
19. Pássaro Doido
20. Dinamite

 

 

Vozes do Coração / Sentidos - 10 Anos Depois

painel_vozes do coração - sentidos_cd2013.jpg

 

Vozes do Coração foi uma iniciativa do jornal Correio da Manhã, que consistia numa coleção de Livro + CD dedicado a alguns cantores portugueses. O volume correspondente à Dina foi o 19º a ser distribuido. No livro estão dados biográficos de Dina e o CD, em boa hora, é uma reedição do álbum Sentidos (1997).

 

As faixas deste CD são:
01. Tafetá
02. De Manhã
03. Depois de Mim
04. Ai a Noite
05. Faz-me Tua
06. Vitorina (da Banda Sonora da telenovela «Os Lobos», RTP)
07. Por Causa do Teu Olhar
08. Carregal do Sal
09. Dia Sim
10. Depois Não Digas
11. Arquitecto

 

 

 

"Música Entre Nós - 1980-1983" - Dez Anos Depois

painel_música entre nós_cd2013.jpg

Em 2013 foi editado um CD virtual (não foi lançado fisicamente) que contém os singles de Dina editados entre 1980 e 1983, mas é uma edição incompleta, pois falta o single Dinamite/Nem Mais, lançado em 1982. Contém nove faixas.

 

Na verdade, a compilação dos singles de Dina já tinha sido lançado fisicamente em 2001, na colecção "O Melhor de 2", que se tratava de um duplo cd de dois artistas (cada artista tinha as suas canções em um cd), no caso de Dina, as canções de Dina estavam no CD1, sendo que no CD2 estavam as canções de Mário Mata. Tal como o CD virtual, o físico de 2001 falta o Nem Mais, que foi substituído pelo Deixa Lá. Contudo apresenta o bónus Desamparem-me a Loja, para completar 12 canções.

 

As nove faixas do CD virtual, que podem ser ouvidas no canal Oficial de Dina, são:

  1. Guardado Em Mim
  2. Guarda-Chuva
  3. Pássaro Doido
  4. Amar Sem Aviso 
  5. Há Sempre Música Entre Nós
  6. Retrato
  7. Aqui Estou
  8. Conta Comigo
  9. Pérola Rosa Verde Limão Marfim

 

No presente especial, vamos comemorar a totalidade dos singles de Dina no período 1980-1983, de forma cronológica, indo mais além, apresentando, tal como a edição física do CD de 2001, os bónus:

  1. Guardado Em Mim
  2. Guarda-Chuva
  3. Pássaro Doido
  4. Amar Sem Aviso 
  5. Há Sempre Música Entre Nós
  6. Retrato
  7. Aqui Estou
  8. Dinamite
  9. Nem Mais
  10. Conta Comigo
  11. Pérola Rosa Verde Limão Marfim
  12. Deixa Lá
  13. Desamparem-me a Loja

 

»» Nota: O painel desta comemoração sublinha que  todas as canções de Dina são OURO SOBRE AZUL !

 

 

 

"Aguarela de Junho" - 25 Anos (IV)

 

As canções de Dina são sementes de Liberdade, de Amor, de Igualdade e de Inclusão. O legado de Dina são as suas canções, o altruísmo e o artivismo.

 

»Já não se usa / Não ser capaz« (4)

"Somos todos pessoas e ponto!". Era esta a resposta que, calmamente, Dina respondia quando nos últimos anos ainda era "picada" sobre alguma temática LGBTQIA+. Cada pessoa tem a sua indentidade, que é diferente mesmo em gémeos! As pessoas dentro da comunidade LGBTIQ+ são todas diferentes, não se pode obrigar a todo este grande e diverso grupo a pensar e agir de uma única determinada maneira. Afinal, são pessoas ou coisas programáveis? "Os rótulos são descritivos, não prescritivos" (Stefano Verza, psicólogo clínico).

 

Dina não transgride, como várias vozes ocas a acusaram, mas antes transcende. Dina actuo em situações e climas hostis, intimidatórios, mas saiu sempre por cima. Dina deu o corpo às balas ao afirmar-se publicamente como membro da Comunidade LGBT no início da década de 90 (por Dina ser completamente transparente, todos sempre souberam desde sempre; sendo discreta nunca viveu escondida), pois já não suportava a violência para com essas pessoas e o seu assassínio, em muitos casos.

 

 

painel_agurela d junho_1998.jpg

 

»»» Bónus:

Deixamos um hino reivindicativo de Dina pela causa LGBTQIA+, neste seu Dia Mundial: Deixa Lá.

 

"Aguarela de Junho" - 25 Anos (III)

 

 

Dina é fiel a sí própria, é o que é - artivista, - e como tal, canta o empoderamento. Doa a quem doer!

 

»Já não se usa / Não ser capaz« (3)

Havia um canal do Youtube com o vídeo do segundo ensaio de Dina na Eurovisão, em Malmö, em que havia vozes ao redor da câmara, antes de começar dito ensaio, com vocabulário pejorativo se a Dina seria "mister" ou "miss" (quiçá algumas dessas vozes de fundo eram de dentro da Comunidade LGBTIQ+), mas depois do ensaio da canção a ovação surgiu, também pelo facto de ter sido apresentada uma versão diferente à do primeiro ensaio, pois foi bilingue, em português e inglês.

 

Há também muito ódio e preconceito entre os membros da Comunidade LGBTIQ+, achando-se umas pessoas superiores às restantes, criando subdivisões com posturas machistas, feministas e outras '-istas', que, como é de esperar, corroem e destroem. Há que haver diálogo e bom senso, há que remar juntos e bem sincronizados se o objectivo é vencer (ou pelo menos chegar a algum lado) - essas pessoas não sabem que a Diversidade é... DIVERSA! Nos Estados Unidos (e não só), durante o período feroz do HIV/SIDA nos 80´s, os homens homossexuais (e não só!) estavam a morrer pela inexistência de sangue nos hospitais. Foram as mulheres lésbicas que se colocaram na primeira linha de batalha contra a doença e fizeram em massa transfusões de sangue para os poderem salvar (fonte). Como se fosse pouco, foram elas que se acercaram aos doentes nos hospitais, que estavam completamente isolados e numa solidão profunda, dando-lhes afecto e retirando-lhes a culpa e a vergonha. Como sinal de reconhecimento e gratidão, a Comunidade, então GLBT, decidiu antecipar a sigla L (de lésbicas), cabendo-lhes as honras de abertura da designação desta diversa Comunidade, que se mantém até hoje a nível mundial: LGBT.

painel_agurela d junho_1998.jpg

 

"Aguarela de Junho" - 25 Anos (II)

Dina é uma cantora e compositora diversa, artivista por natureza. Em meados de 1994 Dina estreia publicamente "Aguarela de Junho", uma trova belíssima acabada de ter letra da Rosa Lobato de Faria e que viria a ser gravada em 1998. Com esta canção Dina pronuncia e visibiliza que é 'o amor que não ousa dizer o seu nome'. Algo que nunca foi segredo, pois Dina sempre foi fiel a si própria. Contra o Ódio marchar, marchar. A apresentação da canção foi só com voz e guitarra, em que Dina utilizou os característicos vocalizos.

 

»Já não se usa / Não ser capaz« (2)

As palavras proferidas pela Dina sobre a sua sexualidade nos 90´s, em um Portugal onde imperava e impera ainda hoje o ódio, trouxe prejuízos à sua carreira artística, por pura estupidez de quem os praticou, "estupidez" essa que é crime punível por Lei (mas que NUNCA se aplica, como em tantas outras leis portuguesas)! Desde que a Dina apareceu na televisão e nos concertos, notava-se que ela era uma mulher com uma presença diferente, não só musicalmente falando, mas visualmente. É inteligível que as mulheres (assim como os homens) não são todas iguais, e Dina em nada dissimulava e vestia a pele de uma personagem muito feminina, segundo os cânones estereotipados que ditam as modas. Dina se apresentava tal e como era onde tinha de ir e estar, não deixando de ser Mulher.

Dina conseguiu transformar o que as mentes pequenas e nulas achavam de vergonha em orgulho, um ORGULHO SEM PRECONCEITO. Nos concertos, Dina cantava "Aguarela de Junho" com todo o sentimento e pujança que esta canção pede, transformando-a em um belíssimo hino da visibilidade lésbica e de empoderamento.

 

"Aguarela de Junho" - 25 Anos (I)

painel_agurela d junho_1998.jpg

Em 1998 Dina participa na Banda Sonora da telenovela Os Lobos (RTP) com duas canções: "Vitorina" (do álbum 'Sentidos', de 1997) e o tema inédito e autobiográfico "Aguarela de Junho".

 

 

Letra (Rosa Lobato de Faria):

Uma janela
Aberta ao mar
Um barco à vela
A deslizar
É Primavera
Na minha mão
Na tua hera
Que ao sol me espera
Já é Verão

Uma janela
De par em par
Numa aguarela
De azul e mar
Num horizonte
Feito a pincel
E os tons da tarde
São mais verdade
Na tua pele

Já não se usa
Não ser capaz
Tiras a blusa
A cor do lilás
E ao ver-te nua
E tão mulher
Na jarra verde
Morreu de sede
Um malmequer

 

»Já não se usa / Não ser capaz« (1)

Dina tem um timbre de voz e uma forma de cantar únicos e facilmente detectáveis e reconhecíveis, são a sua MARCA. A marca Dina também vai para além das suas canções e músicas, é igualmente indissociável desta a sua filantropia e o seu artivismo.

 

Anos antes da edição desta canção, a cantora e compositora Dina volta a agitar as águas, desta feita não pela sua música, mas falando publicamente da sua sexualidade em uma entrevista. Foi um ímpeto que a Dina sentiu a meio da década dos 90's, não para chamar os focos a si, mas para as variadas formas de violência física e mental que as pessoas LGBTIQ+ sofriam, para além da sua invisibilidade e do ostracismo a que eram remetidas. Este "pequeno" gesto de Dina, literalmente, salvou vidas, ao, algumas pessoas, tomarem consciência que não são as únicas no mundo que têm essa forma de sentir e amar, que não são aberrações (como os outros lhes afirmam e gritam), que há muitas mais pessoas como  elas e que isso é perfeitamente normal, não é uma doença nem crime! Essas pessoas diluiram assim o sofrimento e ganharam vontade de viver e força para lutar contra o ódio que as querem matar. Nesse tempo, como nos dias de hoje.

 

30 anos do Álbum "Guardado em Mim"

guardadoemmim_cd1993.jpg

 

No passado dia 1 de Março começou a Primavera Meteorológica e, por cá, no zonaDINAmica, começa uma nova celebração:  Os 30 anos do álbum de Dina "Guardado em Mim"!

 

 

O álbum foi lançado em 1993, com o selo da Vidisco. É um 'best of' de Dina com dois inéditos, com músicas de Dina e letras de Rosa Lobato de Faria, onde as restantes 11 canções que nele constam foram todas gravadas do zero, tanto a voz de Dina como o instrumental. Segue-se o alinhamento do CD:

 

01. Voar Outra Vez (INÉDITO!)

02. Soa Bem (INÉDITO!)

03. Por Alto Mar

04. Aqui e Agora

05. Acordei o Vento

06. Guardado Em Mim

07. Desamparem-me a Loja

08. Isso é Que Era Bom

09  Retrato

10. Que Vamos Nós Fazer

11. Dinamite

12. Nem Mais

13. Há Sempre Música Entre Nós

 

O álbum pode ser ouvido aqui:

 

 

Di(n)a do Amor e da Amizade

Este dia é dedicado ao Amor e à Amizade. De várias canções de Dina, ficamos com as duas do momento:

>> O Amor nos transforma e nos preenche, tal como nos diz "Pérola, Rosa, Verde, Limão, Marfim"

 

>> Na Amizade e no Amor, é essencial sentir o "Conta Comigo" da outra pessoa

 

 Sugestões Românticas 

Baseados nos Mini-Guias Amor d'Água Fresca, que publicamos durante 2022, os convidamos a descobrir:

>> Explosões de sabores refrescantesaconchegantes, fermentados

>> Actividades didácticas, treinar a paciência com trabalhos em papel, criar e utilizar bálsamos e perfumes para fortalecer a relação;

>> Com ou sem relação sentimental, é de suma importância o amor próprio e cuidar da nossa saúde física e mental, sobretudo afastando as pessoas/relações tóxicas! Tratar de um pomar em vaso ou de animais de estimação, por exemplo, ajuda ao bem-estar próprio, para não falar, obviamente, das entranháveis Músicas Entre Nós de Dina!!