Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

zonaDINAmica

Clube Oficial de Fãs da Cantora e Compositora Dina.

Dina, In Memoriam

 

2519805_A101-90969-741x486.jpg

 

Faz hoje 8 dias que Dina partiu fisicamente. A consternação ainda está apoderada de mim. Queria acreditar que o caso da Dina era o mesmo de um cantor célebre em todo o continente americano e Espanha, conhecido por El Puma, como comentei com um outro fã de Dina, que aquando a notícia da doença da Dina em 2016 vim a descobrir que ele também tinha fibrose pulmonar desde 2000. Em 2017 El Puma foi sujeito a um duplo transplante de pulmão e já teve uma breve actuação este ano... Sonhava que acontecese o mesmo com a nossa Dina. Que em dias surgiria na comunicação social que a Dina foi transplantada e já tinha voltado a gravar... Mas na manhã da passada Sexta-feira "acordei" para a realidade. Comparar Portugal com Estados Unidos da América (ou outros países da Europa) leva a, no mínimo, uma desolação gigante! O número de mortes por aqueles que aguardam por um transplante em Portugal são verdadeiramente assustadores (descobri após a Dina nos deixar)!...

 

Passa 8 dias que Dina partiu... E lembro o primeiro dia em que a Dina apareceu no pequeno ecrã, mostrando o Poema Inocência de António Gedeão que a própria Dina musicou e que se revela muito biográfico, uma imagem da própria Dina:

 

Hei-de morrer inocente
exactamente
como nasci.
Sem nunca ter descoberto
o que há de falso ou de certo
no que vi.
Entre mim e a Evidência
paira uma névoa cinzenta.
Uma forma de inocência,
que apoquenta.
Mais que apoquenta:
enregela
como um gume
vertical.
E uma espécie de ciúme
de não poder ver igual.

 

Ficam algumas reacções ao falecimento de Dina (Sítio Festivais da Canção): 1, 2, 3 , Kris Kople e da Ministra da Cultura. É de leitura obrigatória a "Carta de Despedida" de Júlio Isidro à Dina, do qual retiro estes dois parágrafos:

 

"A Dina passava da doçura do “Gosto do teu gosto” para a explosão do seu “Dinamite” num acorde da guitarra, levando consigo um público que lhe tinha carinho.
Foram anos a escrever cantigas e a mostrá-las em disco ou concertos, construindo um património que vale a pena ouvir em estreia, ou rebobinar e recordar, para se lhe atribuir o valor que se foi perdendo na voragem do preconceito e dos chamados novos tempos".

 

dina2016dinamite.png

 

Sem menosprezo para outras pessoas, destaco as palavras de alguns daqueles que participaram na Celebração de Vida, devida e em Vida, da Dina em 2016 - Dinamite, - fruto do trabalho do Gonçalo Tocha (Obrigado, Tocha... E todos os que se juntaram à esta grande Celebração!):

 

- Gonçalo Tocha: “Foi um daqueles encontros de almas em que nos tornamos muito cúmplices, falámos muito sobre vida, arte, música. Era uma pessoa muito aberta, faladora, amiga do seu amigo, generosa, sem preconceitos. Por isso é que ela fez tanta música diferente, pop, rock, baladas, funk”... “Era uma mulher hipertalentosa e, como pessoa, era exatamente o que mostrava ser. Uma pessoa acessível, carinhosa, amiga e de uma simpatia extrema”. “Em 1982 era quase a única cantora-compositora e hoje em dia está muito longe disso. Só aí já temos um legado”. “urge reeditar” os discos, especialmente os dois primeiros, “Dinamite” (1982) e “Aqui e Agora” (1991), que são “muito difíceis de encontrar”.

 

- Ana Bacalhau: “Ajudou a pavimentar a estrada que eu e outras mulheres pisamos agora”. Os espetáculos relembraram uma obra que continua a não ser conhecida “e reconhecida” em toda a sua dimensão. “Talvez ainda não lhe tenha sido dado todo o crédito que merece”, mas será uma questão de “descoberta”. Se as músicas forem ouvidas o respeito será imediato, acredita, porque “a qualidade está lá”. 

 

- Samuel Úria (crónica Da Água Fresca, no Sapo): "Foi senhora sempre. Senhora quando os nossos ouvidos, os seus pulmões, ou os corações de muita gente a maltrataram. Senhora sempre". "Amor de Água Fresca não é a melhor canção da Dina, mas Água Fresca podia ser o seu cognome". "Eu lembro-me bem dos anos 80; quantas vezes não devem ter sugerido à Dina para parar de costurar melodias e ir antes para casa coser meias?  Quantas vezes não lhe terão amesquinhado as opções e as ambições?". 

 

- João Gil (Diabo na Cruz): "Esta é a Dina, alguém por quem me apaixonei no primeiro minuto. Alguém que lutou contra o mesmo Adamastor que a minha mãe, que julguei nunca mais conseguir tirar da cabeça a primeira imagem que tive dela, a entrar na nossa sala de ensaios, com a sua garrafa de oxigénio na mão, a cantar uma musica connosco, a parar no primeiro refrão e a pedir desculpa por isso. Não precisavas de pedir desculpa... Desculpa eu não te ter abraçado mais vezes e ter dado mais beijinhos enquanto cá estiveste..."

 

- Alex D'Alva Teixeira: "Há quem diga que não devemos conhecer os artistas que admiramos, dado que a noção que temos deles é muitas vezes diferente da realidade, correndo o risco de sairmos desiludidos. Com a Dina, foi o oposto."

 

Antes de recordar a Celebração Dinamite no Teatro Rivoli (Porto), aconselha-se a leitura do artigo de Carlos Carvalho (ESCPortugal) que nos traz um especial sobre a discografia de Dina:

 

 

 

Imagens: Internet

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.