Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

zonaDINAmica

Clube Oficial de Fãs da Cantora e Compositora Dina.

Por Causa do Teu Olhar

Letra: Rosa Lobato de Faria

Música: Dina

Gravado em: Sentidos (CD), 1997

 

 

Só de pensar no teu nome

Acendo a vela da fome

Em mim

 

Ao teu olhar de safira

Uma verdade é mentira

Em mim

 

E o rasto do teu perfume

É um rastilho de lume

Em mim

 

Um palpitar de ciúme

Um brilho de vagalume

E enfim…

 

Os meus sentidos alerta

O corpo maré aberta

Uma nascente de cor

 

Os teus cabelos de vento

E olhá-los neste momento

Em que desmaio de amor

 

Guardei a noite de lua

Em que fizemos da rua

Um mar

 

De lírio papoila e trevo

E inventamos o verbo

Amar

 

A tua voz é a fonte

Onde a noitinha se esconde

O céu

 

E no teu beijo de tule

Existe um pássaro azul

Que é meu

 

No fundo do teu olhar

O mundo no teu olhar

Por quem o meu transgrediu

 

Por causa do teu olhar

Eu trago no teu olhar

O coração por um fio…

Por Alto Mar

Letra: João Falcato

Música: João Falcato

Álbum: Aqui E Agora (1991)

 



Acordo de manhã e logo vejo o sol nascer

Estou longe de amanhã

Mas hoje interessa-me viver

As horas passam no relógio

A vida segue a minha estrada

E nunca paro de aprender

 

Acordo de manhã e logo vejo o sol nascer

Estou longe de amanhã

Mas hoje interessa-me viver

As horas passam no relógio

A vida segue a minha estrada

 

E nunca paro de aprender

O que amanhã pode ser nada

 

Quer queiras ou quer não

O futuro está na tua mão

Vê bem que queres daqui

Pois já ninguém o faz por ti

 

Não sou sequer um passageiro

Nem viajo p’ra chegar

Sou só um barco que navega

Por alto mar

 

E nunca paro de aprender

O que amanhã pode ser nada

Amor D'Água Fresca

(Rosa Lobato de Faria / Dina)

 

Quando eu vi olhos de ameixa
E a boca de amora silvestre
Tanto mel, tanto sol

Nessa tua madeixa

Perfil, sumarenta e agreste


Foi a certeza que eras tu
O meu doce de uva
E noz sobre a mesa
O amor de morango e caju


Peguei, trinquei e meti-te na cesta
Ris e dás-me a volta à cabeça
Vem cá, tenho sede
Quero o teu amor d’água fresca (bis)

 

Tens na pele travo a laranja
E no beijo, três gomos de riso
Tanto mel, tanto sol

Fruta, sumo, água fresca
Provei e perdi o juízo


Foi na manhã acesa em ti
Abacate, abrunho
E a pêra francesa, romã
Framboesa, kiwi


Peguei, trinquei e meti-te na cesta
Ris e dás-me a volta à cabeça
Vem cá, tenho sede
Quero o teu amor d’água fresca (bis)

Ah… foi na manhã acesa em ti
Abacate, abrunho
E a pêra francesa, romã
Framboesa, kiwi


Peguei, trinquei e meti-te na cesta
Ris e dás-me a volta à cabeça
Vem cá, tenho sede
Quero o teu amor d’água fresca (bis)


Peguei, trinquei e meti-te na cesta

Que Vamos Nós Fazer

Letra: Eduardo Nobre e Kris Kopke

Música: Dina

Álbum: Aqui e Agora (1991)

 


 

Que vamos nós fazer

Quando fecharem as luzes do bar

Que vamos nós dizer

Que vamos nós fazer

No teu beijo o gosto do desejo

E o sabor da tua pele

No teu olhar de mel

 

Tu estás em mim, tu és de mim…

 

Que vamos nós fazer

Quando fecharem as luzes do bar

Que vamos nós dizer

Que vamos nós fazer

No teu beijo o gosto do desejo

E o sabor da tua pele

No teu olhar de mel

Eu vejo um mundo…

 

Tu estás em mim, tu és de mim…


No meu corpo a marca do teu corpo

E o sabor da tua pele

No teu olhar de mel

Eu vejo um mundo…

Isso É Que Era Bom

Letra: António Pinho

Música: Dina

Álbum: Dinamite (1982)

 


Tu querias demais de mim

O jogo saiu furado

Tu querias assim-assim, assim assado

Tu, tu querias o que eu não queria

Tu querias e eu mau Maria

Éramos a noite, a noite do dia

 

Ah… o que tu querias sei eu

Isso é que era bom

Isso é que era bom

Desemparem-me A Loja

Letra: António Pinho

Música: Dina

Álbum: Dinamite (1982)

 


 

Fiquem sabendo

Que a vossa drogaria

Já não é o meu ideal

E que o stress do vosso dia a dia

Já me fez bem mal

 

Fartei-me de vocês, da vossa trupe

Sempre muito bem bebida

Estou farta de aprender o truque

De enganar a vida

 

Desamparem-me a loja (bis)

Estou decidida a ser eu mesma até ao fim

Desamparem-me a loja (bis)

Sinto uma força a crescer cá dentro de mim

 

Sei que os vossos copos sabem mal

Que amargam de ilusão

Que o vosso amor já se tornou num ritual

Para iludir a solidão

 

Não tentem mandar-me mais recados

Que eu ando em viagem

O vosso estilo tem os dias contados

Pela falta de coragem

 

Desamparem-me a loja (bis)

Estou decidida a ser eu mesma até ao fim

Desamparem-me a loja (bis)

Sinto uma força a crescer cá dentro de mim

Soa Bem

Letra: Rosa Lobato de Faria

Música: Dina

Álbum: Guardado Em Mim (1993)

 


Soa bem, soa bem

Vem na flor do madrigal

Soa bem, soa bem

Doce leve e musical

É a língua portuguesa

Que me ensinou minha mãe

 

Soa bem, soa bem

Sabe a vinho a mar e a pão

Soa bem, soa bem

Faz bater o coração

Tiro as palavras da margem

Sinto o sabor da viragem que elas são

 

Eu quero partir a loiça

Eu quero cantar de galo

Sim, sim, sim

Para que o mundo me oiça

De pé eu canto por ti Portugal

 

Soa bem, soa bem

Vem na flor do madrigal

Soa bem, soa bem

Doce leve e musical

Trago a palavra na boca

Sinto o sabor e a força que ela tem

 

Eu quero partir a loiça

Eu quero cantar de galo

Sim, sim, sim

Para que o mundo me oiça

De pé eu canto por ti Portugal

Aqui e Agora

Letra: José Falcato

Música: Dina

Álbum: Aqui e Agora (1991)

 


 

Sem favor eu vou a tua casa

Sempre sou e quero

Sem favor entrar no teu olhar p’ra sempre

 

Sem favor

Eu quero ser aquilo que nunca fui

E dar a conhecer aquilo

Que eu quero fazer

 

Aqui e agora, aqui e agora e sempre

Aqui e agora

 

Sem favor um dia fui amante

Do teu corpo imenso

Sem favor errei

No dia em que outro olhei

 

Sem favor eu quero ser

Aquilo que eu nunca fui

E renascer, de novo o teu corpo ter

 

Aqui e agora, aqui e agora e sempre

Aqui e agora

O Teu Olhar Mentiu

(Miguel Castro / Dina)

 

Esta noite sou

Azul maré calada

Espero a madrugada

Sim eu sei quem sou

É a estrada que eu quero

Do luar que é sincero

 

É saudade à solta

Que te traz de volta

Mas

 

O teu olhar mentiu

O teu olhar mentiu

Já brincou já fugiu

O teu olhar mentiu

 

Ontem caminhei

Sem medos nem amarras

Cais de águas passadas

Nem sempre lutei

Remei com a corrente

Tão igual tão diferente

 

É verdade envolta

Em sonho e revolta

Mas

 

(refrão)

 

É saudade à solta

Que te traz de volta

Mas

 

(refrão )