Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

zonaDINAmica

Clube Oficial de Fãs da Cantora e Compositora Dina.

5 Anos Sem Dina - II

Dina_Conc.jpg

Dina partiu na noite de 11 de Abril de 2019, uma Quinta-feira, no Hospital Pulido Valente (Lisboa). Uma morte anunciada e premeditada.

 

Direito ao trabalho??? - O que é isso? (perguntam os políticos portugueses). Consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos que Portugal assinou(?), mas, sinceramente, pelas imagens apresentadas nos noticiários, nem Portugal nem a ONU sabem o que isso é!

 

Por motivos de puro Ódio - algo que ninguém neste País sabe o que é, - Dina foi bloqueada também à este Direito Fundamental ao Trabalho! O último trabalho discográfico de originais de Dina remonta a 1997 (álbum Sentidos). Desde 1999 Dina gastou-se a tentar editar um álbum com canções novas, mas as editoras só queriam editar "best ofs". E desta última forma aconteceu em 2002 e em 2008. Dina afirmou várias vezes ter muito material, mas aqueles que mandam se recusam a gravar as suas canções inéditas - estão tão mijados de medo porquê? Eis a resposta: O material de Dina é mesmo muita bom, tem uma sonoridade única e carácter diferenciador e superior, assim como esse timbre tã-tã-tã-tã-tão Dina que é a cereja fresca no cimo de qualquer bolo! A Música de Dina é uma baga de fruta que se coloca na boca e provoca uma explosão de sensações que despertam e alertam todos os sentidos! - No entanto, neste século XXI Dina apresentou canções inéditas para telenovelas (quando é usual utilizar canções antigas do artista, que foram grande sucesso!) e, de um basto repertório de inéditos, ia dando a conhecer algumas dessas canções nos concertos e até em programas de televisão. Como é usual em Portugal, às portuguesas e aos portugueses, assim como ao resto do Mundo, não lhes serão dados a conhecer esses inéditos todos de Dina, assim como as várias canções originais perdidas em programas de televisão, a remasterização dos EPs dos anos 70's e do álbum Aqui e Agora, etc., pois NÓS ESTAMOS CÁ SÓ PARA PAGAR IMPOSTOS E COM ZERO DIREITOS! Temos de tirar o cavalinho da chuva, já que, segundo os factos internacionais, A MÁFIA PORTUGUESA É MAIOR QUE AS OUTRAS MÁFIAS TODAS JUNTAS! É assim ou não é?

 

Outra aberração das editoras e distribuidoras é que, ao pesquisar pela música da Dina, os trabalhos da nossa Ondina Veloso aparecem para ser vendidos dentro de uma sub-página de uma artista de nome Dina, mas que é da Noruega, da França… E até da Ásia!! As canções que todos conhecemos da nossa Dina no mesmo saco que canções nos mais variados idiomas e estilos de mulheres e homens desconhecidos. A quem é que essas milhares de páginas de internet que vendem a música de Dina pagam?? - estas páginas ganham fortunas a vender música!! - E quem recebe os Direitos de Autor da música de Dina, a nossa Ondina Veloso? Ou a loiraça norueguesa? Ou a francesa (uma foto que não é da nossa Dina)? Ou a asiática? Ou a ….? Ou a ….? Ou o …? Esta situação não é recente, já se arrasta VINTE ANOS, pelo menos, e já foi largamente denunciado várias vezes, mas, como sempre, em Portugal não se responde a nada e nada se fazassobia-se para o lado!

 

Mas este múltiplo puro Ódio contra Dina já é antigo e está (também) relacionado pelo facto de Dina ser Mulher que, ao contrário dos homólogos homens, foi penalizada severamente por ter feito hinos partidários (1995) – foi vetada PARA TODO O SEMPRE por algumas Câmaras Municipais para cantar no Concelho, por exemplo. – Os homens fizeram e fazem hinos de um extremo e do outro e há quem andasse a saltitar sempre e nunca lhes aconteceu nada. Viva a liberdade deles.

 

A estatura de Dina também foi alvo de chacota. Um insulto à grande maioria de mulheres de Portugal e às nossas jovens que em 2024 (e sempre existirão!) têm a mesmíssima altura que Dina, e até menos!

 

Lembramos também o 'complot' que se armou entre 1990 e 1992 contra a UPAV (União Portuguesa de Artistas de Variedades) - editora à qual Dina pertencia e era co-sócia fundadora juntamente com o José Mário Branco, entre muitos outros nomes sonantes, e com a qual lançou o Lp Aqui e Agora (1991) e os singles de Amor d'Água Fresca (1992), - com infâmias (os artistas da UPAV são uns vagabundos!”, entre mais e piores) e outros crimes e muita peixeirada incluída por parte das grandes discográficas e até de muitos lojistas que se recusaram a vender os trabalhos feitos por esta editora (ERAM MUITO BEM PAGAS PARA ISSO MESMO, TENDO UM RENDIMENTO MUITO MAIOR DO QUE A VENDER MÚSICA!). Estas acções vergonhosas e desonrosas acabaram por assassinar os fins nobres da UPAV e dos seus sócios nos inícios de 1993, empobrecendo a Música e a Cultura em Portugal... E a Liberdade!

 

Mais razões para Portugal ser ainda mais hipócrita ao falar de Liberdade: Dina também foi castigada por cantar a Liberdade e o Amor no seu estado mais puro e diverso (algo que Dina nunca escondeu nem camuflou). Com o enorme pequeno gesto de Dina ao afirmar que pertence à Comunidade LGBT, no início da década de 90 - Dina não tolerava mais os maus-tratos que os seus membros recebiam, - acabou por salvar vidas no sentido literal, já que muitas e muitos portugueses se identificaram com ela (e as suas canções), e não mais se deixaram abater pelos vexames e agressões físicas – sempre e quando tais agressões não implicaram na morte da vítima, obviamente! - Por outro lado, as vítimas não alimentaram ideias de 'suicídio' para se livrarem/fugirem desse Ódio à queima-roupa contra elas. Já referimos anteriormente aqui no zDm, mas voltamos a repetir: O ‘SUICÍDIO’ É UMA PALAVRA INVENTADA POR E PARA ASSASSINOS, PARA ESTES LAVAREM AS SUAS CULPAS E MÃOS ENSANGUENTADAS DE ACÇÕES CRIMINOSAS, CULPABILIZANDO A VÍTIMA INOCENTE POR RAZÕES ESTÚPIDAS, DESCONEXAS, ESTAPAFÚRDIAS, BIZARRAS, ETC., QUANDO EM VERDADE A CULPA ESTÁ RELACIONADA COM A PASSIVIDADE, A INÉRCIA, A MÁ-FÉ, A INCOMPETÊNCIA, O ASSÉDIO, O ÓDIO, AS AGRESSÕES, O RECUSAR AUXÍLIO, ETC. DESSES MESMOS ASSASSINOS E PREDADORES - E QUEM ESTÁ A SER BEM PAGO NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS TAMBÉM É CÚMPLICE! -  PARA COM A VÍTIMA JÁ NUM ESTADO FRÁGIL E VULNERÁVEL, QUE RESULTA PROPOSITADAMENTE NO FINAL TRÁGICO DESTA. A morte da vítima é o principal objectivo de todo e qualquer agressor maquiavélico e, como à diário nos lembra a comunicação social, a culpa é sempre das vítimas e os agressores NUNCA são punidos. Daí os números vergonhosos de vítimas de violência em Portugal serem tão elevados, MESMO COM OS FREQUENTES E CÉLEBRES “APAGÕES”, com a finalidade de mostrar um número muito baixo, para não chamar a atenção da comunidade internacional.

 

Quando apresentou o seu 2º single, "Pássaro Doido", em finais de 1980, Dina foi duramente criticada por cantar também Rock, pois ela só podia cantar baladas segundo a crítica “especializada”. Dina comentou que a Tina Turner tanto canta uma bela balada como uma ‘rocklhada’. Mas em Portugal só os homens têm o direito de fazer o que lhes apetecer e ninguém tem nada a ver com aquilo que eles fazem ou deixam de fazer. Já as mulheres, estão sempre para levar porrada e não poderem sequer piar. 

 

Sorte teve o Bob Dylan de não ter nascido em Portugal, assim teve liberdade de criar canções em vários estilos musicais (Folk, Blues, Rock, Country, Pop, Jazz, Gospel, etc.) e ser altamente elogiado e premiado por esse motivo... Até um Prémio Nobel lhe deram! Se bem a nossa Dina maioritariamente só fazia a música, entregando a labor da letra aos artesãos da Palavra - e vice-versa, pois a Dina também musicou Poemas!, - tanto a Rosinha (como carinhosamente era chamada por todos a poetisa Rosa Lobato de Faria) e o Eduardo Nobre afirmavam que a música de Dina já trazia a letra, uma vez que Dina apresentava a sua música com vocalizos ('scat singing') e com algumas palavras pinceladas, cabendo aos letristas pegar no(s) mote(s) e fazerem belas letras.

 

Em resumo: Qualquer acção na Música ou gesto de Humanidade da Dina servia para que os ‘pseudos’ sem intelecto da nossa praça lhe faltassem ao respeito e cometessem crimes de Ódio (e outros!) contra ela e se intrometessem na sua vida privada! Vá, um autêntico saco de pancada a nossa Dina, contudo, nunca ela se rendeu nem se humilhou perante o poder e a altura dos inimigos da Liberdade e da Igualdade... Até fez disso Força para o seu Artivismo! E os criminosos sempre impunes, como é Lei neste Portugal, onde não existe o Direito à Liberdade Criativa, impõem-se e limita-se estilos musicais e tudo e mais alguma coisa aos artistas nacionais, que são abalroados por armas de destruição maciça (não passam nas rádios de Portugal, etc.). Em suma, os exames de diagnóstico provam comorbidades, sendo uma das patologias que A LIBERDADE É CRIME EM PORTUGAL!

 

»» 'POR EU TE RECORDAR' (canção "Retrato"):

Recordamos 3 peças sobre Dina: David Ferreira a Contar... Mulheres a Compor (realça o pioneirismo de Dina: «Dina mostrava que as mulheres podem escrever boas canções»), David Ferreira a Contar... Dina (um repasso pelo início de carreira de Dina) e uma reportagem na SIC sobre o novo CD de Dina (2008):

 

Dina e a sua Música estão sempre entre nós e em nósBem-Haja, Dina, por teres existido e nos teres agraciado com a tua Humanidade, a tua voz e as tuas canções! Continuas a inspirar-nos!

Dina - "Dinamite"